segunda-feira, 31 de março de 2008

Figuraça da semana

Ele faz show aqui em São Paulo nessa sexta-feira. E embora seus melhores discos já tenham, todos, algumas décadas de idade, Rod Stewart permanece como uma das melhores e mais originais vozes do rock. Além disso, é uma figuraça – filho de escocês, herdou o tradicional desvario de seus descendentes pela bebida, é um incorrigível admirador de belas mulheres (já está em seu quinto casamento – na foto aí embaixo, com uma delas, a belíssima atriz sueca Britt Ekland)) e adora futebol. Já foi coveiro, entregador de leite, começou como vocalista na banda do soberbo guitarrista Jeff Beck (disco imperdível do período: ‘Truth’) e formou com Ron Wood a banda Faces. Aos 63 anos, mantém o cabelo arrepiado que é uma de suas marcas registradas e nem o câncer na tiróide, que operou em 2000, tirou seu bom humor ou a potência de sua voz. Além de tudo, o cara é um grande ‘frasista’. Hoje, na Folha Ilustrada, mandou essa: ‘Agora já não jogo mais, fiz quatro operações no joelho. Assim como o Ronaldo, pobre Ronaldo... fiquei muito triste porque pra ele a coisa acabou. E é uma pena que não saiba cantar’. E antes de se casar com a atual mulher, no ano passado, disse: ‘Ao invés de me casar de novo, vou achar uma mulher de quem eu realmente não goste e simplesmente já dar uma casa pra ela’.

Conheci Rod em 1978 ou 79, não me lembro bem. Trabalhava na Warner e fui pro Rio acompanhar o cara no trabalho de lançamemto de ‘Blondes Have More Fun’, aquele disco cujo sucesso ‘Do Ya Think I’m Sexy?’ era um descarado plágio de ‘Taj Mahal’, do Jorge Ben. Rod estava hospedado na suíte presidencial do Copacabana Palace e depois de um pocket show apenas para privilegiados convidados no bar do hotel, subimos todos à suíte – músicos, técnicos e agregados – para come(bebe)morar a noite. Lá pelas tantas, depois de muita caipirrrinha e muito bourbon, Rod Stewart apareceu com uma bola, começou a afastar os móveis e propôs que jogássemos uma partida de futebol. Ninguém se opôs, é lógico. Depois de alguns vasos e espelhos quebrados, garagalhadas homéricas e muita canelada, não deu outra: fomos todos expulsos da suíte e continuamos a ‘pelada’ na areia em frente. Eram 5 e meia da manhã.

Grandes discos do grande Rod: ‘Gasoline Alley’ (1970), ‘Every Picture Tells a Story’ (1971), ‘Never a Dull Moment’ (1972), ‘Atlantic Crossing’ (1975), ‘Absolutely Live’ (1982) e 'Unplugged... And Seated’ (1993).

14 comentários:

carol disse...

tava mesmo pensando hoje no quanto gosto das suas histórias sobre música e músicos. Esse figura que é o Rod eu nunca vi, mas a suíte do Copa eu conheci e bem que comporta mesmo uma pelada...
rs

Patty Diphusa disse...

Nããããão...vc jogou uma pelada com o Rod Stewart? Neil, seu livro daria de dez a zero nos livrinhos que têm por aí só relatando entrevistas formais. Fala sério, está esperando o que?

bjs

Neil Son disse...

carol: filho de escocês, cantor de rock e blues nos anos 60, 'working class hero', pegador e peladeiro, só pode mesmo ser uma figuraça...

Neil Son disse...

patty: há alguns anos, comecei a escrever esse tal livro. mas desanimei depois de conversar com um advogado que me alertou para a montanha de processos que cairia em cima de mim.

anna disse...

esse cara nunca fez parte dos meus prediletos.
acho que na época tinha olhos e ouvidos pros stones e prô costello.

agora, gosto da voz rasgada dele. é assim até hoje na senilidade?

Neil Son disse...

sim anna, a voz (e os cabelos) do rod continuam os mesmos. e ele também era (é) da turma dos stones. afinal o guitarrista ron wood (que copiou o cabelo do rod)tocava com o 'figuraça' antes de se juntar a jagger & richards.

peri s.c. disse...

Neil
A única pelada disputada na suite foi a futebolística ?

Neil Son disse...

sim peri, éramos (somos?) todos homens serissimos!

jayme disse...

Neil, RS assumiu o plágio, não é? Se bem me lembro, pagou uma grana ao então Jorge Ben -- fato raro nesse tipo de história, quando o plagiador é um popstar internacional e o plagiado um compositor do terceiro mundo.

Neil Son disse...

na verdade, jayme, certamente orientado por algum advogado 'ixperto', o rod abriu mão dos direitos em nome da unicef; ele não recebeu nada, mas o jorge tb não.

Ricardo Soares disse...

sabe marcinho , eu adorava mais o rod quando ele cantava blues... a fase pop dele me enche o saco ! mas o que será que acha do rod o seu guru artur dapieve ??? hehe... eu sabia que o careca mala que apresentava aquele programa mala com o madureira era o dapieve... fingi ignorar só por charminho...viadagem pura... até pq acho sim o dapieve talentoso, mas um baita mala... principalmente na tv...abs

Neil Son disse...

o lance é o seguinte com esses veteranos do rock, ricardo: salvo algumas exceções, os shows deles são sempre bons, independentemente dos discos recentes. e o dapieve, meu guru??? é ruim, hein?

GUGA ALAYON disse...

anna, em qual senilidade?
A dele ou a nossa?

Neil Son disse...

acho que aí não tem jeito, guga. todos nós, eles, o rod, a torcida do curintia, vamos passar (ou já estamos passando) pelo efeito PVC: a Porra da Velhice Chegando...