terça-feira, 6 de novembro de 2007

Bairro de Pinheiros




É, a cidade ainda guarda surpresas...

24 comentários:

peri s.c. disse...

Talvez o Giorgio Armani tenha começado assim .... olho no rapaz aí.



( existe uma piada maravilhosa sobre alfaiate, mas só dá para contar pessoalmente porque requer expressão corporal, me lembre no próximo encontro )

Neil Son disse...

peri: além dos tijolinhos e do manequim 'olhando de soslaio', gostei especialmente do 'sob medidas e consertos'; uma simples letrinha erroneamente colocada deu um inesperado (e logicamente, não buscado) ar filosófico à tão prosaica frase...

peri s.c. disse...

Neil,
Excelente o "soslaio', nota-se que não é um manequim qualquer. E fiquei também pensando na questão dos "s". Sabe lá se não foi de propósito? Os trabalhos de alfaiataria tradicional tem um aspecto medidativo-filosófico. Segundo Mme Peri, seu pai, que foi alfaiate, era completamente super-zen e portanto quase enlouquecia a família, que não era nada zen.

anna disse...

esse bairro é demais. enquanto alguns estão no século 21, outros no 20.

duro é saber que esse tipo de coisa vai acabar.

sai nostalgias, sai!

p.s. é com "s" sim prá manter a poesia da placa.

jayme disse...

Eu adoro essa mistura que Pinheiros traz, de Paulicéia com a cidade do interior que um dia o bairro foi.

Marcio Gaspar disse...

peri: e tem tb o caso do walter alfaiate, o alfaiate-sambista de postura superzen/debem com a vida.

Neil Son disse...

anna: pra completar a poesia, só faltava o manequim estar olhando pra cima.

Neil Son disse...

jayme: esse post é, na verdade, uma singela homenagem aos seus brilhantes escritos na revita Morar...

jayme disse...

Delícia, big Neil!

disse...

para mim, neil, esta cidade só guarda supresas!

adorei a coluninha bicolor

meu bisavô também era alfaiate, o ambiente da alfaiataria era fascinante, não sei se zen...

jayme disse...

Bê, não havia notado o detalhe da coluna bicolor. Eu adoro esse hábito que têm os donos de casas geminadas de fazer pinturas diferentes, dividindo ao meio tudo o que é compartilhado na divisa, como é o caso da coluna muito bem observada.

anna disse...

jayme, eu pintei um tom diferente da vizinha prá não ficar par de vaso.

Neil Son disse...

faltava isso, silvia: vc pousar seus 'olhos de lince' nessa foto pra enxergar aquilo que ninguém havia ainda enxergado. impressionante!

Neil Son disse...

jayme: essa necessidade da diferenciação, por parte dos 'germinados', é algo que precisa ser levado com cuidado - a tendência de virar uma louca obsessão está à espreita.

Neil Son disse...

anna: dependendo do vizinho, o melhor é fazer absolutamente tudo diferente né? do tom da tinta aos horários da casa, dos barulhos aos odores emanados, da relação com os outros vizinhos ao tipo de planta que se tem.

disse...

talvez isso seja reflexo da necessidade da "individualização" moderna, na época da construção, provavelmente, se pensou no desenho da rua como um todo, no conjunto de casas que seriam habitadas por moradores, depois cada um teve que dizer quem era...

nossa cidade hoje é um pouco isso, um monte de oradores solitários, feito este manequim

Neil Son disse...

silvia, adorei a imagem dos 'oradores solitários'... sou seu fã!

a. disse...

pinheiros com simão, né?

Neil Son disse...

sr. a. por aqui? quanta honra! sei que é na rua pinheiros, mas não tenho certeza se é na esquina com a simão; provavelmente sim.

GUGA ALAYON disse...

Fora que a soma dos primeiros 4 números do telefone(10) é igual a soma dos quatro últimos. Igual ao número de letras do 'sob medida', que por sua vez é igual ao número de letras do 'e consertos'.
Logo,
multiplicando-se o nº de letras de 'alfaiate'(8), pela soma do número de letras e números logo abaixo, chegamos ao resultado 320, que, não por coincidência, é o exato número de tijolos que aparecem na fachada, e dividindo-se este numeral pelos 4 corações do trevo da lotérica, chega-se ao incrível número 80, que não por acaso novamente , é o número da tal alfaiateria, que por sua vez tb é a década em que foi confeccionado o traje.
Ora, poi, CQD.
80 abraços.

Marcio Gaspar disse...

HAHAHA, guga, genial! vou correndo na lotérica abaixo do alfaiate, jogar nessa combinação de números! qdo ganhar na megasena, te prometo a coleção das obras completas do malba tahan!

anna disse...

nossa, guga, esse posteiro é muito dadivoso,não? uma coleção completa?

GUGA ALAYON disse...

ahahahaha. TOCTOTAL

pecus disse...

Tinha visto só a lotérica. Defendo o "sob medidas" porque para cortar um terno são necessárias várias.