segunda-feira, 12 de novembro de 2007

Palavras, Frases, Declarações...

Na Folha de ontem:


“Se um dia eu abrir a janela e tiver um paparazzo me esperando, eu deixo a televisão. Vou fazer só teatro. Eu não sou o personagem. Meu trabalho é interpretar um personagem. Só isso”. – Débora Falabella, estrela da novela ‘Duas Caras’, da TV Globo.


“Acho que estou num ponto de minha vida em que preciso de mais intensidade. Sei que meu tempo está se esgotando. Procuro continuar avançando em minhas convicções políticas e minha vida artística. Os atores, e com mais freqüência os diretores, vão se desgastando com o tempo. Eles perdem a ousadia, eles têm famílias pra sustentar. Mas eu sou solteiro, não tenho filhos. Sou inspirado pela urgência e importância e não quero me proteger – isso seria o pior de tudo”. – George Clooney, ator e diretor americano.

“Nos ferramos por pensar demais. As pessoas me perguntam ‘por que você aceitou esse papel?’ e eu não sei explicar. Aí eu digo ‘por causa do dinheiro’, e elas ficam chocadas. Mas por que me perguntam isso? Sou um ator, me oferecem um trabalho e, se eu quiser fazer, aceito. É simples assim, não há grandes razões misteriosas”. – Anthony Hopkins, ator britânico.


“Quando eu era criança, produções desse tipo eram classificadas como filmes B (falando de ‘A Lenda de Beowulf’, ficção científica repleta de efeitos especiais); hoje são tipo A. Mas não tenho preconceito contra nenhum gênero, já fiz todos, inclusive no teatro. Esse tipo de coisa é uma decisão comercial e lido bem com isso. Quando escolho fazer um filme de Manoel de Oliveira (fez ‘Um Filme Falado’), não é uma decisão comercial, mas não tenho como objetivo fazer filmes de arte que colocam as pessoas num estado vegetativo”. – John Malkovich, ator americano.

E pra dar uma aliviada, duas do Tim Maia, extraídas do livro “Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia”, de Nelson Motta:

“Dos artistas do Rio, metade é preto que acha que é intelectual e metade é intelectual que acha que é preto”.

E a campeã: “Fiz uma dieta rigorosa, cortei álcool, gorduras e açúcar. Em duas semanas, perdi 14 dias”.

10 comentários:

anna disse...

não há dúvida: o síndico continua sendo o cínico mais sábio.

Patty Diphusa disse...

Salve Tim, esse sabe...Agora, se o tempo do George Clooney está se esgotando, pára tudo que eu quero descer..Bjs Neil

Neil Son disse...

é,anna, o tim era o máximo - principalmente se vc estivesse a uma distância segura hehe...

Neil Son disse...

patty: a entrevista do clooney me surpreendeu; confesso que não esperava muito do 'bonitón'. e o tempo é sempre relativo, já dizia aquele velhinho que gostava de mostrar a língua.

peri s.c. disse...

Neil
O Clooney é um cara interessante, se diverte fazendo aqueles blockbusters ao mesmo tempo que escreveu, produziu e dirigiu o excelente " Boa Noite, Boa Sorte ", sobre o filme de baixíssimo custo para os padrões hollywoodianos,filmado em P&B
e que chegou ao Oscar concorrendo a melhor filme, roteiro, diretor, ator, fotografia, direção de arte. Não é pouco.

peri s.c. disse...

oops, no texto acima substituir " sobre o " por "um"

carolina disse...

haha a última do Tim é a melhor!

Neil Son disse...

é peri, e o clooney tb dirigiu e atuou naquele filme 'Syriana', que é super-engajado e bacana. e tem dado muitas entrevistas nos eua, tentando abrir os olhos da mídia pra tragédia de darfur.

Neil Son disse...

carol: o tim matava a cobra e mostrava o pau (que era mínimo, segundo o próprrio...)

Ana Carmen disse...

Sem falar em Syriana...

Neil Son, que lista divertida, alegrou meu momento de "recreio" do dia.

Fico com o Clooney. Sou recém-chegada na praia Clooney, ele não faz exatamente meu tipo, mas ultimamente acho o cara tudo de bom, pelas razões que você cita e agora por essa conversa toda. Fecho com ele.