quinta-feira, 29 de maio de 2008


“Os jovens praticamente não lêem. Com toda a informação disponível on-line, como nunca antes na história, preferem dedicar uma quantidade inacreditável de tempo a vasculhar vidas alheias e a exportar as suas próprias em redes de relacionamento como o Facebook e o MySpace” – Mark Bauerlein, escritor americano

6 comentários:

jayme disse...

Muita informação muitas vezes resulta em nenhuma.

Neil Son disse...

é verdade, jayme. mas dizem que os 'jovens' estão desenvolvendo 'outro tipo' de inteligência nestes tempos internéticos. resta saber qual e pra que serve.

anna disse...

acabei de ler sobre a mesma coisa. o texto dizia que hoje os jovens preferem pesquisar no google, muito mais que numa enciclopédia, o que dificulta perceberem o melhor e mais adequado conteúdo sobre o assunto, além de cada vez menos o autor do texto ter quase nenhuma importância.

ou seja, uma pesquisa sem critério.

Neil Son disse...

sem critério, sem 'norte' e sem fim, anna.

Sibila disse...

Oi Neil,
dá a impressão da gente encapsulado, vivendo numa ilha da fantasia. O recurso pra chegar no outro, pela internet, é muito fácil (pq ágil, pq protegido, de alguma maneira) e, talvez por isso, sedutor, aconchegante. E, como tava pensando lá no começo, bte no sentido estar numa concha tb.
De outro lado, e junto, quem sabe efeito, em alguns extratos sociais, da não vida na cidade, no bairro, nos bairros. Será? Bjs.
O excesso de informação, essa esquisofrenia, deve pegar muita gente de calça curta, sem informação e curtição, no fim.

Sibila disse...

Ah, e aproveitando as sextas dos lindos-gostosões, que tipão esse Mark Bauerlein, hein?
Bjs.