terça-feira, 4 de novembro de 2008

A cara do Brasil


Não gosto de automobilismo, essa coisa que muita gente chama de esporte... não assisto a corridas de Fórmula 1 desde aquela em que o Senna se arrebentou no muro; e das outras modalidades, tipo Indy, Moto, etc, não chego nem perto. Acho tudo uma estupidez. E pra falar a verdade, não gosto nem mesmo de dirigir; meu interesse por carros é próximo do zero. Mas, sinceramente, gostei que o tal do Hamilton foi campeão mundial; me parece um cara simpático e ‘do bem’. E ainda evitou (ou ao menos adiou) o ufanismo insuportável da Globo em cima de uma possível vitória do Mauricinho Massa. E o pai do cara chama Titônio?? É isso mesmo??

Mas bacana mesmo foi a vitória (aliás, a segunda) do Marílson na Maratona de Nova York. Esse sim, um sujeito que tem a cara do Brasil e que disputa um esporte na verdadeira acepção da palavra - onde o que vale são suas pernas, sua cabeça, seu esforço solitário, sua determinação.

23 comentários:

Anônimo disse...

Neil Son:
Sem dúvida um grande feito.Ganhar de Quenianos,Etíopes é mérito esportivo.Agora,ganhar dos Forrest Gump é o Olimpo do prazer.

Abraço
Günther

peri s.c. disse...

Neil
O Marilson é patrocinado ( podíamos chamar de bolsa-esporte) pela BM&F, Bolsa de Mercadorias e Futuros, campo de batalha do capitalismo selvagem e predatório transacional globalizado, ora em diarréia para a qual nós é que vamos fornecer o papel higiênico.
Tem lá um patrociniozinho, que descontam do IR, e ainda faturam com a publicidade . E é capaz de retirarem , sacuméquié, a crise ...
Cara do Brasil mesmo, ele é que se esfalfa em troca de merrecas e os outros faturam em cima.

Neil Son disse...

é mesmo gunther, e aliás será que algum dia alguem vai explicar o incrível desempenho dos africanos nas provas de longa distancia do atletismo?

Neil Son disse...

ora peri, como vc mesmo diz, o patrocinio do marilson é uma merreca - deve ser pouco mais que uma ajuda de custo. evidentemente, nada comparavel aos numeros estratosfericos da F1. e o que eu quis dizer foi que o marilson, na hora do vamuvê, depende dele exclusivamente - do seu corpo e de sua cabeça; um bom tenis ajuda, mas é só acessório.

Anônimo disse...

Peri:
O Marilson Gomes dos Santos(Santos é marca de campeão)em 2 horas 8minutos e 43 segundos,recebeu pelo feito 160 mil dólares(338 mil reais).É merreca perto dos 338 milhões de dólares em faturamento que o patrocinador deve ter faturado.Mas em terra de ôlho quem tem cego ,..errei.
Günther

anna disse...

muito legal mesmo!

esse sim tem cara de ser do bem.

Anônimo disse...

Neil,
Acho que aqui se corre atrás da condução,lá, êles correm de tiros e tigres.
Mas com seriedade ,êles treinam nas montanhas,na altitude .O ar é diferente,não como no Mexico(mais rarefeito).Os mexicanos também dão trabalho.
Treinar corrida que requer resistência,na altitude dá mais resultado.
Americanos e Europeus não treinam em lugares "subdesenvolvidos"e tentam Hegemonia de laboratório com velocistas em corridas curtas ETC.

Günther

peri s.c. disse...

Neil
Não é só o Marilson que recebe esmolas. Todos nossos atletas de esportes menos midiáticos vivem de pires na mão. Por ex. o Cielo, da natação, passou a ser patrocinado pelos Correios, com R$ 8 mil/mês, só 3 meses antes das Olimpíadas. E logo no segundo mês quiseram tirar o patrocínio porque ele se recusou a interromper seu pico de treinamento, para encarar uma viagem de 18 horas de vinda, mais 18 de volta, ficando aqui um dia para uma audiência de meia-hora, para beijar a mão de Lula "Marolinha". É tudo uma grande picaretagem. Perdi a paciência de fazer mais um post da série Armazém Olímpico, analisando os números financeiros de nossas medalhas. Cada medalha brasileira custou, se não me falha a memória, U$$ 5 milhões, computados verbas do governo e patrocínios oficiais. O detalhe é que na mão dos atletas não chegou nem 10% da polpuda verba. Onde foi parar o resto? Ham ?

Já a F1 é um esporte, hoje, altamente profissional. Muitíssimo dinheiro aplicado, os maiores investidores são as grandes montadoras, que não brincam em serviço e cobram pelo que investem. Não é qualquer um que senta num carro daqueles. E ali, ao contrário da vida de nossos " astros" do futebol não há tempo para baladas, pagodes, loiras falsificadas, excesso de peso, falta de preparo físico e corpo mole. E ganhar dinheiro para valer mesmo só uns 10 é que ganham. E ganham isso porque são os protagonistas de um negócio milionário. Só em SP deixou uns U$$ 200 milhões em uma semana.
E acho que você é injusto com o Massa . Depois do Piquet é o primeiro que não fica lambendo a bunda da imprensa em geral e da Globo em particular ( Emerson e Senna eram mestres do marqueting ). Teve a personalidade de não dar uma de coitadinho, depois da corrida de anteontem. E sua história de vida familiar é quase rigorosamente idêntica à do Hamilton, ambos de pequena classe média com a família investindo tudo o que tinha na improvável carreira vitoriosa do filho.
agora , é claro, cobrar alguma intelectualidade de piloto, é um exagero.

Neil Son disse...

haha gunther, adorei a sua frase final!

Neil Son disse...

é anna, e li na folha que até lá em noviorque o feito do marilson foi ofuscado pela F1...

Neil Son disse...

ótima explicação, gunther! me convenceu.

Neil Son disse...

ah peri, esse cálculo de 'qto custou cada medalha' é furado... se o lance é investir no esporte pensando em contabilizar resultados a curto prazo, já se parte de uma premissa errada. e essa história do massa classe média baixa tb não cola: minha filha conhece a família do cuzão (cuzinho?). e pra terminar: não cobro intelectualidade de piloto, mas eles podiam ao menos, de vez em quando, andar em cima de dois pés, ao invés de quatro.

Neil Son disse...

e uma família que 'investe tudo o que tem na carreira de piloto' é uma burrice - não dá nem pra ficar com pena quando o infeliz se arrebentar em alguma curva.

jayme disse...

Todo esporte de competição que a gente vê hoje é descendente das lutas e outros jogos de aposta, e não da idéia recente e ocidental da competição saudável, instrumento da saúde do corpo. O Barão de Coubertin coraria ao ver uma preliminar de natação no Pinheiros. Felipe Massa é bom porque excita as massas e permite o livre trânsito das fortunas. Agora, vale ver que o cara é competente em excitar as massas: http://www.youtube.com/watch?v=F3ynl0ou3LM.

pecus disse...

Marilsinho, Mauricinho, gosto de assistir F1 e maratona, o limite tecnológico e o fisiológico. A quem tenha achado de mau gosto a transmissão da maratona feminina em Beijing, quando uma atleta inglesa do pelotão da frente agachou no meio-fio pra dar uma mijada. Eu achei emocionante.

googala disse...

Dois pontos:
1)-Os Massas são donos de 1/2 Botucatu e da empresa CAIO que assina 50% dos ônibus das gdes cidades(não é pouco). Classe média baixa(?) que gostaria de ser representante.
2)-Felipe pilota pra caralho. Besteira brigar com a realidade. Vai deixar esses alemães como segundo piloto onde quer que seja.
abçs

peri s.c. disse...

Neil
Mera matemática : relação custo benefício. O quanto foi investido no " profissionalíssimo Programa Olímpico " ( ah, ah) nos últimos 4 anos dividido pela quantidade de medalhas.
Um programa meio estranho : o Cielo só teve acesso a ele 3 meses antes da competição. E tenho enorme curiosidade de saber o quanto a Maureen recebeu, deve ter sido outra merreca. E o judoca brasileiro que quase competiu usando a faixa marrom porque não tinha dinheiro para se inscrever, 8 meses antes das Olimpíadas no exame de faixa-preta ?


Guga
Depois de 3 anos na F1 como piloto titular na Ferrari mais os patrocínios "por fora" dava prá comprar Botucatu inteira ( inclusive a fazenda com o criadouro de sacis que existe lá ), Tietê e São Manoel. E a Caio, a Ciferal e a Marcopolo.
Hoje a grana é outra, vocês sabiam que o Rubinho ganhou pilotando F1 mais que o Emerson o Piquet e o Senna juntos ? Como qualquer cabeça de bagre futebolista que vai prá Europa ganha mais do que o Pelé ganhou dentro de campo em toda sua carreira.

Márcia W. disse...

MarcioNeil
adorei teu comentário. Primeiro porque tenho a mó dificulidade em pensar F 1 como esporte. Segundo, depois que vim morar na Batávia virei negra também, então adoro ficar do lado dos brôus, inda mais quando simpáticos e gatos e fora dessa onda brasil-il-il-il insuportável.

Neil Son disse...

jayme: o videozinho mostra um cara competente no volante. daí pra considerar isso um esporte, vai uma distancia abissal...

Neil Son disse...

pecus: acho que os limites visíveis nessas competições são os de nós mesmos, que as assisitimos.

Neil Son disse...

guga: pilota pra caralho? pode ser... assim como 90% dos comandantes de airbus e boeing 767 em voos transatlanticos.

Neil Son disse...

peri: os numeros permitem as mais variadas leituras, a gosto do freguês. e acho mesmo que os pilotos de F1 devem (merecem) ganahr muito: só mesmo um idiota com merda na cabeça pra entrar naquele pedaço de metal e correr a 300 por hora a poucos centimetros do chão e ainda disputando com outros idiotas como ele.

Neil Son disse...

por falar nisso, marcia w, olha o post aí de cima...